Debaixo da Figueira


Ao ver Natanael se aproximando, disse Jesus: “Aí está um verdadeiro israelita, em quem não há falsidade”. Perguntou Natanael: “De onde me conheces? ” Jesus respondeu: “Eu o vi quando você ainda estava debaixo da figueira, antes de Filipe o chamar”. Então Natanael declarou: “Mestre, tu és o Filho de Deus, tu és o Rei de Israel! “. Jesus disse: “Você crê porque eu disse que o vi debaixo da figueira. Você verá coisas maiores do que essa! “ (João 1:47-50 – NVI)

Me lembro que quando eu era jovem e não tinha trabalho ainda saía, para vender com o meu pai mercadorias, pelas localidades rurais, aonde ele tinha uma vasta freguesia. Íamos de casa em casa, oferecendo as mercadorias, carregadas em bolsas que levávamos em nossas costas. Na verdade, não que eu ajudasse muito, mas, havia um desejo recíproco de estar com ele e ele comigo. E assim andávamos de casa em casa, oferecendo as mercadorias, em algumas, nos convidam para fazer uma refeição, em outras para tomarmos um chimarrão e ainda tinha as que ficamos para pousar e seguir viagem no outro dia. Porém as vezes entre uma casa e outro parávamos debaixo de uma sombra, como da arvore acima e dávamos “um tempo” para descansar ou até mesmo para não chegar numa hora imprópria.

Bem, qual a relação disso com o versículo mencionado no texto bíblico no início deste post? Talvez, pouca coisa.

Ficar debaixo de uma figueira para o povo de Israel tinha um significado diferente. Enquanto para nós (eu e meu pai) era um local de descanso, para eles era um local de oração. Sim, o homem quando queria se separar um pouco para meditar e orar ao Senhor pela vinda do Messias, debaixo da figueira era o lugar. O lugar onde o homem falava com Deus, lugar de clamor.

Pois bem, Natanael, que viria a ser chamado Bartolomeu e se tornaria um dos doze de Jesus. Estava debaixo da figueira, orando pela vinda do seu Mestre. Porém, quando se depara com aquele homem, não poderia ver o ungido de Deus, num homem simples, de um lugar mais simples ainda. E quanto a isto, temos algumas coisas a refletir.

Primeiro ponto a refletir, é a respeito da nossa vida de comunhão com o Senhor. Temos nos separado, para estar com Ele? E se estamos nos separando para estar com Ele, estamos apercebidos para reconhecer a sua presença em nosso meio? Quando falo estar se separando para Ele em tempo de oração e leitura da palavra, não falo aqui de uma vida contemplativa, mas, de uma vida que faça diferença e que colabore para que se cumpra o plano de Deus no nosso tempo. Se o Senhor voltar hoje, o que Ele falará para você? O que Ele verá ao ver o que há no seu coração?

O Senhor quando encontrou Natanael, pode contemplar o coração de um homem sem hipocrisia e religiosidade (Salmos 32:2) e com um coração puro (Salmos 73:1), um coração que Ele gostaria de ter contemplado na nação de Israel. No entanto, Natanael não reconheceu de imediato o Senhor Jesus e foi preciso haver uma revelação do Senhor Jesus, para que ele cresse no Messias. Apesar disso, o Senhor o chamou de um verdadeiro israelita, pois, havia no seu coração a sinceridade de um homem de Deus, havia no coração daquele um clamor pela sua vinda. E é isso que o Senhor deseja de nós que haja sinceridade em nossos corações, Ele deseja que sejamos verdadeiros na nossas palavras assim como foi Davi, quando as coisas não andavam bem, não seja hipócrita com o Senhor dizendo que está tudo bem, se estas com a tua vida em frangalhos. Se está tudo bem, seja grato ao Senhor, porque é pelo Seu infalível amor, graça e misericórdia, é que você alcançou favor dEle para a sua vida. O próprio Davi, sabia disso e por isso não retinha nada (Salmos 139:1-4). Natanael definitivamente era um homem que desejava a sua vinda. E nós temos desejando o retorno do nosso Rei?

O segundo ponto a refletir é, não te detenhas quando o Senhor falar contigo. Quando reconhecer a voz dEle, se jogue em Seus braços, sem restrições, sem se preocupar com aqueles que o cercam (se você tiver com outras pessoas). Não te detenhas ao ser constrangido pelo Seu amor, não endureça o seu coração quando escutar a voz do Amado, pensando que algo da sua cabeça. Natanael, não se deteve quando pode perceber, que Aquele que estava na sua frente, não era mais um mestre, ou um agitador como tantos outros (Atos 5:33-39), mas, era Aquele pelo qual ele havia orado por tanto tempo. Estava ali, a um passo dEle, eu fico a imaginar o coração deste homem, certamente o meu não iria se conter dentro do meu peito. Ainda podemos perceber, que ele deu três qualificações ao Messias.

Jesus, o Mestre

O primeiro das qualidades é de Mestre, pois, pode contemplar a sabedoria de Jesus em sua abordagem e porque naquela época a maioria dos verdadeiros mestres (rabinos), tinha discípulos que literalmente caminhavam com eles, aprendendo de sua sabedoria. Sendo assim, o desejo de Natanael, era ser discípulo de Jesus e segui-lo. Ainda há este desejo no nosso coração?

Jesus, o Filho de Deus

A segunda qualidade que o Senhor Jesus recebeu de Natanel, foi a de “Filho de Deus”. A revelação é momentânea e ao mesmo tempo crescente. Porque ele reconhece que aquele homem a sua frente, não era apenas um simples mestre, mas, Deus. Vamos ver o texto em João 5:18, para entendermos melhor esta afirmativa.

Por essa razão, os judeus mais ainda queriam matá-lo, pois não somente estava violando o sábado, mas também estava até mesmo dizendo que Deus era seu próprio Pai, igualando-se a Deus.

Voltando ao momento precisamos entender a dimensão da revelação que este homem teve, a respeito Messias, tendo em vista, que a forma como os judeus se relacionavam com Deus, era mais parecido com um senhorio. Onde Deus é o Senhor (E Ele para todo sempre será Senhor) e eles são como servos, que cumpriam a vontade do seu Senhor. Isto é bem evidente, quando Jesus, fala em Marcos 12:1-12, onde é enviado os servos (profetas) e estes eram espancados e ai envia a eles o filho (Jesus) que é morto por eles.

Sendo assim, por ele reconhecer a paternidade de Deus Pai em Jesus, reconhece por consequência que Jesus é Deus. Diante disso fica para nos outro questionamento. Temos ajustado a nossa visão, para enxergar no Senhor Jesus, mais do que um mestre com ensinamentos que nos proporcionam, uma vida tranquila? Jesus é muito mais do que isto. Ele é o centro de tudo, de toda a nossa vida, o firme fundamento, no qual todas as demais coisas existem. Muitos de nós buscamos a Ele no início da nossa caminhada por circunstâncias adversas. Por que entendíamos que Ele poderia concertar o nosso casamento, curar o nosso filho ou até mesmo nos libertar do álcool e das drogas. Certamente Ele fez e seguirá fazendo isso, pela sua maravilhosa graça. Mas mesmo Ele realizando todas as estas coisas, não podemos esquecer que Ele é o CENTRO de nossas vidas e é para Ele que vivemos.

Jesus, o Rei de Israel

Era comum que os jovens judeus, fossem instruídos na palavra dos profetas. Certamente com Natanael, isto não era diferente, tendo em vista que ele estar debaixo de uma figueira indicava que o ensino sobre o Senhor, havia lhe impactado a ponto de se separar dos demais para buscar a Deus em oração. Diante disso, é evidente que o próprio Natanael, conhecia o texto de Isaías 9:6, que diz:

Porque um menino nos nasceu, um filho nos foi dado, e o governo está sobre os seus ombros. E ele será chamado Maravilhoso Conselheiro, Deus Poderoso, Pai Eterno, Príncipe da Paz.

O conhecimento sobre a palavra acima por parte de Natanael, se evidencia no texto abaixo de Lucas 4:16-20, que diz:

Ele foi a Nazaré, onde havia sido criado, e no dia de sábado entrou na sinagoga, como era seu costume. E levantou-se para ler.
Foi-lhe entregue o livro do profeta Isaías. Abriu-o e encontrou o lugar onde está escrito:
“O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me ungiu para pregar boas novas aos pobres. Ele me enviou para proclamar liberdade aos presos e recuperação da vista aos cegos, para libertar os oprimidos e proclamar o ano da graça do Senhor”. Então ele fechou o livro, devolveu-o ao assistente e assentou-se. Na sinagoga todos tinham os olhos fitos nele;

Diante disso, devemos refletir sobre algo. Já que oramos tanto pelas as nossas cidades, estados, pais e até mesmo nações da terra, e para que venha o governo de Deus sobre estes lugares. Porque, na nossa vida, Deus não tem vez? Porque a Ele não permitimos governar sobre nós? Precisamos entender, que o governo de Deus se estabelece primeiro em nós, como igreja e depois nos demais lugares. Natanael entendeu que era o governo de Deus, vindo aos homens e Ele resolveu segui-lo e deixar ser governado pelo homem de Nazaré.

Para concluir, quero trazer um confronto que eu mesmo tive ao final deste texto.

Natanael certamente não creria que o Senhor Jesus era o Messias, senão, por causa da revelação do local que Ele mesmo separara para ter com o Senhor.

Assim como ele, parecemos ser tão espirituais, pois conhecemos bem a palavra e ficamos horas orando na presença do Senhor, mas, nos tornamos tão céticos quanto a sua revelação, quanto a sua presença. Que sempre precisamos condicionar a isto sinais e a manifestações de poder por parte Senhor, para que creiamos que gloriosamente Ele está ali a falar conosco.

Felizmente Jesus, assim como Ele faz conosco nos dias de hoje, se revelou a Ele e deu os sinais que Ele precisava para crer, que de Nazaré pode sair sim algo bom.

Ainda bem que o Senhor Jesus, tem paciência conosco e não desiste do Seu plano para as nossas vidas.

Tomé, chamado Dídimo, um dos Doze, não estava com os discípulos quando Jesus apareceu. Os outros discípulos lhe disseram: “Vimos o Senhor! ” Mas ele lhes disse: “Se eu não vir as marcas dos pregos nas suas mãos, não colocar o meu dedo onde estavam os pregos e não puser a minha mão no seu lado, não crerei”. Uma semana mais tarde, os seus discípulos estavam outra vez ali, e Tomé com eles. Apesar de estarem trancadas as portas, Jesus entrou, pôs-se no meio deles e disse: “Paz seja com vocês! “. E Jesus disse a Tomé: “Coloque o seu dedo aqui; veja as minhas mãos. Estenda a mão e coloque-a no meu lado. Pare de duvidar e creia”. Disse-lhe Tomé: “Senhor meu e Deus meu!”. Então Jesus lhe disse: “Porque me viu, você creu? Felizes os que não viram e creram”. (João 20:24-29 – NVI)

Mesmo Deus, sendo paciente, não dê lugar a incredulidade, para que o Senhor possa cumprir os Seus planos em sua vida.

Assim, como diz o Espírito Santo: Hoje, se vocês ouvirem a sua voz, não endureçam o coração, como na rebelião, durante o tempo de provação no deserto, onde os seus antepassados me tentaram, pondo-me à prova, apesar de, durante quarenta anos, terem visto o que eu fiz. (Hebreus 3:7-9 – NVI)

Que Deus te abençoe grandemente, com amor fraternal em Cristo Jesus!

Até +!

About these ads

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s